Os Melhores Filmes é Séries Para você Assistir em 2019

Olá pessoal

é na matéria de hoje eu modéstia parte separei uma incrível

lista de filmes é séries de 2019.! 

 

FILMES

1- VINGADORES 4

de acordo com wikipédia os Vingadores: Ultimato[1]) é um futuro filme estadunidense de super-herói de 2019, baseado na equipe Os Vingadores da Marvel Comics, produzido pela Marvel Studios e distribuído pela Walt Disney Studios Motion Pictures, sendo a sequência de Marvel’s The Avengers, de 2012, Avengers: Age of Ultron, de 2015, e Avengers: Infinity War, de 2018, e o vigésimo segundo filme do Universo Cinematográfico Marvel. Dirigido por Anthony e Joe Russo e escrito por Christopher Markus e Stephen McFelly, é estrelado pela maioria dos atores dos filmes anteriores do Universo Cinematográfico Marvel.

O filme inicialmente foi anunciado como Avengers: Infinity War – Part 2. Os irmãos Russo foram contratados para dirigir em abril de 2015 e em maio, Markus e McFeely assinaram para escrever o roteiro do filme. Em julho de 2016, a Marvel removeu o título do filme, o chamando apenas de Untitled Avengers film. As filmagens começaram em agosto de 2017, no Pinewood Atlanta Studios, no Condado de Fayette, na Geórgia, sendo filmado simultaneamente com Avengers: Infinity War. As filmagens adicionais ocorreram no centro e no metrô de Atlanta na cidade de Nova York. No dia 7 de dezembro de 2018, durante a CCXP, foi divulgado o primeiro trailer do filme com o título oficial Avengers: Endgame.

A produção está programado para ser lançada nos Estados Unidos em 26 de abril de 2019,[2] nos formatos IMAX e 3D.[3] No Brasil e em Portugal, a estreia está prevista para o dia 25 de abril de 2019.

2- COMO TREINAR SEU DRAGÃO 3

é um futuro filme de animação computadorizada americano produzido pela DreamWorks Animation e distribuído pela Universal Studios. Planejado para ter o lançamento em 17 de janeiro de 2019 no Brasil. O filme será uma sequência do filme How to Train Your Dragon 2. Formando uma trilogia

3- TOY STORY 4

Toy Story 4 será um futuro filme de animação estadunidense de 2019, produzido pelos estúdios Walt Disney Pictures e Pixar do gênero de aventura e comédia romântica em 3D, sendo o quarto filme da franquia Toy Story. É dirigido por Josh Cooley que substitui John Lasseter na liderança do longa; Lasseter permanece como produtor executivo.[1] A história foi concebida pela equipe de escrita do Toy Story original: Lasseter, Pete Docter, Andrew Stanton e Lee Unkrich.[2] O filme será lançado em 21 de junho de 2019. Tom Hanks, Tim Allen, Annie Potts, Joan Cusack, Wallace Shawn, John Ratzenberger, Estelle Harris, Jodi Benson, Michael Keaton, Kristen Schaal, Blake Clark, Jeff Pidgeon, Timothy Dalton, Bonnie Hunt, Lori Alan e Laurie Metcalf reprisam seus papeis dos filmes anteriores da franquia. Além das novas adições de Tony Hale, Keegan-Michael Key e Jordan Peele interpretando Garfinho, Patinho e Coelhinho, respectivamente.

4 – HOMEM ARANHA DE VOLTA AO LAR 2


é um futuro filme norte-americano de ação, comédia, aventura e ficção científica dirigido por Jon Watts, e é escrito por Chris McKenna e Erik Sommers. É produzido pela Marvel Studios e Columbia Pictures e é distribuído pela Sony. É a continuação do filme de 2017; Homem Aranha: De Volta ao Lar e tem no elenco Tom Holland como Peter Parker / Homem-Aranha ao lado de Jacob Batalon, Zendaya , Marisa Tomei, Jake Gyllenhaal, Cobie Smulders e Samuel L. Jackson. Será lançado em 5 de Julho de 2019.

5 – STAR WARS EPISÓDIO IX

Star Wars: Episódio IX (com título de produção trIXie) é um futuro filme estadunidense do tipo space opera épico de aventura, fantasia e ficção científica de 2019, escrito por Abrams em parceria com Chris Terrio e dirigido por J. J. Abrams, sendo o nono filme da franquia Star Wars e a terceira e última parcela da trilogia sequela da saga, produzida pela Lucasfilm e distribuído pela Walt Disney Studios Motion Pictures. É a sequência do filme Star Wars: Os Últimos Jedi, de 2017.

SÉRIES 

1 – YOU

A Série você, é retratada na vida de Guinevere Beck (Elizabeth Lail) é uma aspirante a escritora, que vê sua vida mudar completamente ao entrar em uma livraria no East Village, onde conhece o charmoso gerente, Joe Goldberg (Penn Badgley). Assim que a conhece, Joe tem certeza de que ela é a garota dos seus sonhos, e fará de tudo para conquistá-la — usando a internet e as redes sociais para descobrir tudo sobre Beck. O que poderia ser visto como paixão se transforma em uma obsessão perigosa, uma vez que Joe não vai medir esforços para tirar de seu caminho tudo e todos que podem ameaçar seus objetivos.

OBS: Não recomendada para menores de 16 anos.

2 – Game of thornes

Hoje em dia quase toda gente conhecerá “Game of Thrones”, a série televisiva inspirada em “A Song of Ice and Fire”, a obra de fantasia escrita por George R. R. Martin que recentemente foi adaptada para televisão pela HBO. A série tornou-se um fenómeno de popularidade que invadiu o “mainstream”, e claro, isto não poderia passar despercebido à ávida indústria dos videojogos, sempre pronta a seguir as tendências de consumo da televisão e principalmente do cinema.

A qualidade dos livros, e correspondentemente da série televisiva é fantástica, e retrata um mundo de fantasia riquíssimo, carregado de intrigas políticas, personagens imensamente complexas, magia, criaturas sobrenaturais, jogos de poder, enfim, é um dos melhores universos de fantasia que conheço, e nesse sentido, um videojogo desta franquia mereceria um interesse quase automático. O problema é que todos sabemos o que costuma acontecer quando um estúdio faz a adaptação de uma franquia conhecida para um videojogo.

3 – Black mirro

Black mirro foi criada por Charlie Brooker, em 2011, Black Mirror é uma série de TV genial e dinâmica, que toma como base o atual mal-estar da pós-modernidade – de certa forma inspirada em Quinta Dimensão (Twilight Zone), outra série de TV que mesclava narrativas de suspense, fantasia, horror e ficção científica, Black Mirror nos apresenta cena após cena ? todos os efeitos colaterais do mundo tecnológico.

O próprio nome Black Mirror foi escolhido por Brooker para evidenciar um traço cultural marcante nos tempos atuais, a adoção da tecnologia como uma droga viciante, onde o ?espelho negro do título pode ser visto em qualquer espaço, na palma da mão: a tela fria da TV, monitor ou um smartphone.

Os aparatos técnicos estão em por toda parte, ao alcance do toque dos nossos dedos, seduzindo-nos com maneiras mais práticas de solucionar os nossos problemas do cotidiano, como fazer compras, leituras e relacionamentos. Entretanto, ao passo que fazemos uso, nos tornamos cada vez mais dependentes desse bem-estar ilusório.

No episódio intitulado Engenharia Reversa somos apresentados ao personagem Stripe (Malachi Kirby) dentro de operações militares. A narrativa tem início em uma missão onde os soldados têm que ir a uma comunidade investigar uma espécie de ataque de baratas (no original em inglês roaches). De imediato, nota-se pela reação dos aldeões que as tais baratas são marginalizadas, porque eles afirmam que terão de se desfazer de tudo o que as baratas tocam, incluindo a comida, que supostamente foi infectada.

O espectador se depara com esse desconforto já nas primeiras cenas. Ainda nesse começo é perceptível que os soldados usam máscaras implantadas nos olhos, que fazem com que eles recebam informações acerca do conflito, mapas e dados digitais. O encontro dos soldados com as baratas é um momento fundamental para o entendimento do episódio. O conflito estabelecido entre eles é caótico, as baratas emitem sons muito fortes de desespero e se deslocam para todos os lados.

De certa forma o racismo não deixa de ser um projeto de engenharia racial, uma ideia desumana de otimizar a raça para o futuro. Nesse sentido, são identificadas as chamadas raças inferiores e utiliza-se termos técnicos e científicos: as raças a serem exterminadas trazem o atraso, a inferioridade e diversas doenças. Para não prejudicar o projeto de uma sociedade ideal, é necessário que essas pessoas inferiores deixem de se reproduzir, ou melhor, que sejam extintas. Um tipo doente de higiene social.

O projeto é desumano, o termo é alterado para que não se perceba que na verdade se tratam de seres humanos, de semelhantes, e sim, de baratas. Os alvos desumanizados são excluídos e a violência surge dos olhos do cidadão comum.

4 – stranger things

Apesar dos criadores da série, os irmãos Duffer, terem nascido já a meio da década, conseguiram captar o espírito dos filmes dos anos 80, porque convém dizer, a nostalgia de que aqui se fala foi tirada dos filmes dessa época, e não propriamente à realidade desses longínquos anos, tantas vezes referenciados na cultura pop.

No entanto, este fator, o da nostalgia, é o que mais se tem falado em todos os artigos e críticas sobre a série e, quanto a mim, não é sequer o mais interessante. Mas, tratando já do assunto, a maior homenagem que a série presta é a Spielberg. Lembramo-nos logo do realizador americano quando vemos os protagonistas, miúdos de 12 anos, a andarem nas suas bicicletas pelas ruas da pequena cidade. Este sentimento é intensificado quando têm contacto com Eleven – um momento que nos leva logo para o clássico de 1982, E.T. (existe um plano cujo enquadramento é completamente retirado do filme), quando um dos miúdos a leva para casa, escondendo-a do resto da família.

Apesar de todas estas referências, algo que tem ajudado ao sucesso da série é o facto de que os criadores não tiveram medo de dar um twist dark à narrativa. Se o extraterrestre, do filme de Spielberg, é amigável e simpático, Eleven tem o cabelo rapado e não tem medo de usar os seus poderes quando é necessário, e quem diz Eleven diz também toda a sua subplot, repleta de elementos mais negros e genuinamente desconcertantes (e, consequentemente, interessantes).

Como não podia deixar de ser, e sendo parte do universo narrativo inspirado no de Spielberg, a mãe-protagonista foi abandonada pelo marido e toma conta dos dois filhos sozinha. E ainda que os miúdos consigam dar vida às personagens e grande parte do mérito da série seja devido também a eles, a personagem interpretada por Winona Ryder é flat e desinteressante. Ainda antes do seu filho desaparecer, já ela é histérica, e assim continua durante a série inteira. Nunca por um momento temos acesso a outro lado dela sem que este seja imediatamente interrompido pelos seus acessos de loucura e histerismo dramático, mas talvez nisto a culpa deva recair mais sobre a direção do que na própria atriz, porque de facto a personagem parece não ter range nenhum.

Ainda que Sranger Things tenha estes aspetos menos bons, nada disso é suficiente para fazer com que a série seja menos merecedora de todo o sucesso que tem tido. A dimensão alternativa – Upside Down – está incrivelmente bem construída, e o seu look e atmosfera são credivelmente assustadores. Consegue dar azo à imaginação, como os filmes que os irmãos homenageiam, sem, no entanto, ser uma ideia completamente tresloucada e que possa parecer pertencer a outro sítio.

Mesmo prestando homenagem aos grandes clássicos, muitos dos tropes dessa época são subvertidos. Temos o chefe da polícia que à primeira vista pode parecer o típico agente distante, que não está para ajudar ninguém e cuja função passa mais por comer donuts do que investigar crimes, mas, no entanto, ele é crucial na busca pelo miúdo desaparecido, envolvendo-se sempre mais e mais e colocando a sua própria vida em risco. Para além disso, sim, existe o namorado imbecil e que anda com todas as miúdas, mas ele acaba por se heroificar no final da série, revelando-se de extrema importância, não acabando a sua performance meramente enquanto um stock character.

O tom da série está bem equilibrado. Existem sensivelmente três storylines: a dos miúdos, a dos adolescentes, e a dos adultos. E ao contrário de outras séries, ou mesmo filmes, onde o clímax se desfaz em não-explicações e em que a narrativa teima em não ser exposta, Stranger Things está mais tentada para o outro lado (e ainda bem): o de mostrar o monstro e a resolução do mistério (ainda que existam coisas vagas e que possam, e devam, aliciar a uma segunda temporada). Aqui não existem múltiplos mistérios instigados durante os oito episódios que culminam num final que sabe a pouco e que pode deixar ainda mais perguntas que respostas, não, quem vê a série percebe exatamente do que se trata porque o final consegue satisfazer totalmente.

Por fim, chegamos à parte que, quanto a mim, mais sobressai em Stranger Things: a banda sonora. O melhor elogio que se pode fazer sobre a música (composta originalmente pelos SURVIVE) é que esta é completamente homogénea com a história e o estilo em que esta é contada, não existindo uma distância entre as duas coisas, elas complementam-se na perfeição, como acontece nos grandes filmes e séries. Conduzida pelos sintetizadores (que outro instrumento poderia ser utilizado, quando se trata de uma série passada nos anos 80?), é logo desde o genérico que estamos completamente hipnotizados pela era retratada, entramos de uma só vez no universo misterioso de Hawkins, Indiana, e assim nos mantemos numa aura de synthwave que em muito ajuda a contar aquela história.

Stranger Things inspira-se em Spielberg, em Stephen King, em Carpenter. O resultado não é o mais original que já se viu na Netflix mas nem esse era o objetivo. Em vez disso, a série dos irmãos Duffer é uma bonita carta de amor aos filmes e à cultura pop dos anos 80, e é uma enorme fonte de entretenimento.

Pedro Gomes é Editor de Cinema no 8.5Bits | pedrogomes (arroba) 8dot5bits.com

5 – supernatural

SUPERNATURAL ou SOBRENATURAL
É uma série do gênero Suspense/Terror, Ficção/Fantasia e que teve seu inicio em 2005 nos EUA. A série está em curso e ainda não teve seu fim até a publicação deste post.

Supernatural ou Sobrenatural conta a história de Dean Winchester (Jensen Ackles) e Sam Winchester (Jared Padalecki), dois irmãos que lutam contra criaturas cuja existência é desconhecida pela maioria das pessoas.
Os irmãos perdem a mãe, Mary Winchester (interpretada por Amy Gumenick quando jovem e Samantha Smith quando retorna na temporada 12), morta em um incêndio que foi causado por circunstâncias sobrenaturais. Como resultado, o seu pai, John, dedicou a sua vida a viajar por todo o país para tentar descobrir o que causou a morte da sua mulher e procurar vingança. Ele levou seus filhos nessa jornada, treinando-os para lutar contra o mal. Dean ficou com John para o ajudar a caçar, enquanto Sam deixou a sua vida de caçador para ir para a Universidade de Stanford. Quando o seu pai desaparece de repente, Dean pede ajuda a Sam para o encontrar e, desde então, os irmãos Dean e Sam viajam pelo país, num Chevrolet Impala de 1967, preto, investigando situações Sobrenaturais e outras ocorrências inexplicáveis, muitas delas baseadas na crença popular, mitos e lendas urbanas americanas e também em criaturas baseadas em contos sobrenaturais como Vampiros, Lobisomens e Fantasmas.

Eric Kripke estava desenvolvendo Supernatural há quase dez anos; na sua ideia original, os Winchesters não existiam, a história baseava-se em jornalistas que relatavam, em suas notícias, acontecimentos sobrenaturais. Como a The WB, emissora original do programa, não aprovou a ideia, Kripke reformulou o conceito da série e teve a aprovação. Os produtores executivos originais são Kripke, McG e Robert Singer.

 

Pronto pessoal essa foi a minha lista dos melhores filmes é séries para você assistir em 2019 atenciosamente Silver!

 

Deixar uma resposta